sexta-feira, 11 de novembro de 2011


Não sou completamente feliz
Nem sempre triste,
Uma mistura consome minhas madrugadas
Verdade em súbita transformação.
Nem sempre correspondida, muito menos compreendida
Inexplicavelmente desvairada, constantemente julgada.
Sou uma tela em construção,
As cores que pinto vibra em mim.
E faz da vida uma aquarela de sentimentos e sensações.
Sou uma parte do todo e um pouco de tudo.
Nasço com o sol e morro com a lua.
Pouco me importo com quem não agrado, pois sei que nunca o farei.
E nestes intervalos que se passam, vou matando a minha tristeza e refazendo-me.
Vou plantando. Vou colhendo,
Errando. Vou correndo.
Jurando. Prometendo. Chorando e aprendendo.
Endoidando, te enlouquecendo.
SÓrindo SÓrindo SÓrindo.




Nesta manhã
Cante a beleza... Cante a alegria de estar vivo.
Cante tua paz, teu amigos, tua família.
Cante as coisas simples, um dia elas farão diferença na sua vida.
Cante por poder cantar, andar, sorrir, olhar.
Não se importe, nem se incomode.
Siga, vá em frente.
Os que te julgam e te condenam não tem mais nada a lhe oferecer senão seus espinhos.
Siga mesmo assim, faça destas pessoas estímulos para ir mais longe.
Dance, grite, se jogue.
Mude de opinião e Mude de novo.
Seja metamorfose.
Você está vivo. AGRADEÇA!




sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Relutâncias de um amanhecer.


Partir...
Ir, deixar o vazio, olhar distante... Nunca mais.
Tornar verdade, deixar saudade... Até breve ou até mais.
Deixar poeira, fazer zoeira... Para mim tanto faz.
O que ficou sobrou... De você em mim.
Marcou, esmiuçou, desatinou, partiu.
Seguiu, seguiu, olhou para trás nem viu.
-Adeus?
-Até mais. Um dia eu volto ou você vai.




quarta-feira, 2 de novembro de 2011

FIN.ado


Uma sensação de perda consome este dia
Cada hora leva consigo um pedaço do tempo que cai
Rasga a minha paciência, queima minhas retinas com sal...
Olho os espaços vazios, falta você!
Falta um pouco de mim...
Tenho a impressão de que nada será como antes depois de hoje
Nem serei a mesma,
Este tempo que se arrasta e a ânsia dá um grito...
A chama que chama, e o tempo se perde e me perde.
Grita, come, consome e some.