quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Ei bicho homem, se inspire, se espelhe, melhore, aprenda.
Evolua, faça parte do meio, compreenda.
Deixe de ser egoísta, estenda sua mão, faça o bem.
O que você vai levar quando se for?
Carro, dinheiro, apartamento?
Olhe para o lado, mentalize,  apreenda.
Não se acanhe, acredite, ame, se surpreenda.
Daqui nada se leva...
A matéria fica e teu espírito se eleva.
Abrace, beije, prospere.
Seja feliz, se desapegue.
Cante, tenha fé, você nasceu pra brilhar.
E se alguém disser o contrário,
Sorria, saiba que você é sábio já cantava o sabiá.
Confie no bem, dê seu melhor e o resto virá.
Você nasceu pra crescer, não para se limitar.
Grite a liberdade e o poder de amar.




terça-feira, 3 de julho de 2012


Vi esta imagem hoje pela manhã em uma rede social que resume muito da nossa atual realidade.



Viramos produto da mídia e vivemos todos os dias a vida dos outros. Estamos nos acostumando a nos esparramar no sofá e engolir tudo aquilo que nos é ofertado de bandeja, mastigado e ruminado inúmeras vezes por várias estações. Os canais não diferem muito entre si, o espetáculo é quase o mesmo, o circo tá armado, mas os palhaços somos nós. Somos nós que chamamos a Carminha de safada e o Tufão de Corno, criamos uma roda de discussão para saber qual o segredo que será descoberto apenas no último capítulo, somos nós que damos audiência a programas ridículos que não ofertam nada mais que bundas que rebolam sob um zoom que é capaz de mostrar até os poros, “mas é legal” afinal elas são “gostosas”. É divertido ver pessoas tirando sarro dos outros e os colocando em situação de humilhação quando se fala tanto de bulling. É fácil ter compaixão de uma mãe que sofre pela perda do seu filho num programa apelativo, quando nós não compadecemos com uma pessoa que passa fome em frente a nossa própria casa, mas não vemos, não enxergamos. A vida aqui fora da telinha, não parece ser a verdadeira, esta é a ficção e aquilo que vemos na TV somos nós, lá que é real. O que comemos ali que nos sacia, aquela água que bebemos é que mata a sede.

Para que olhar para o lado na rua se eu posso passar direto, passar por cima?


quinta-feira, 3 de maio de 2012

Alarme falso


O amor pede urgência,
É uma emergência.
Ele pede chama.
Ele te chama, mas você nem vem.

Ele é ousado, não quer nenhum trocado, nenhum vintém.
Quando digo:
- De hoje você não passa.
Ele abre uma gargalhada e diz:
-Já já terei o que preciso... de um bom abrigo e olhe meu amigo não precisa mais nem se preocupar comigo, porque sei que sua intenção é nobre, mas este coração não é pobre e guarda a certeza de um abraço quentinho onde me cabe inteirinho. Não sofro em esperar, sofreria em saber que não existiria no mundo alguém que pudesse esquentar, nem me acalentar. Eu sei que  posso crer... existe alguém como eu ou você.
- Mas meu coração amigo, às vezes me falta certeza. Me sinto tão sozinho que chega bate a tristeza. Será que existe alguém assim que possa nadar contra essa correnteza.
- “Ora”, não seja assim tão pessimista, se não acreditas no amor então o que fazes da vida? Uma vida sem amor de nada adiantaria, veja aquelas pessoas que carregam o rei na barriga. Se acham superiores, mas vivem sem fé na vida. Pensa que ter é importante, mas mais importante é ser alguém na vida!
- E você que tanto pediu urgência, emergência, cadê tua chama?
- Ascendeu.
Acendeu?
- Como por encantamento, você ascendeu a minha chama. E me fez perceber que ela estava comigo desde o princípio e nunca me abandona.

Eu sempre serei a minha melhor chama.



                                                         Fotógrafo: Joe Lima 

terça-feira, 17 de abril de 2012

O amor de vez em sempre é piegas


Hoje queria você aqui
Eu, dentro do seu abraço
Cada passo um descompasso
Corações comBatentes,
Cheios de canção
Sabendo o que me move
Chegou em cada verso
Embalando o que há de melhor em mim: VOCÊ!
O sorriso é leve quando te vejo
E tão breve quando tu vais...
Fica por aqui e faz tua morada
Faz dos meus dias mais curtos com tua chegada.







quinta-feira, 12 de abril de 2012

Fortaleza dos Alencarinos


Ahh Fortaleza,
em teus braços cabem milhões,
sem distinção de cor, raça, você abraça!
TERRA DA LUZ
Que alumeia, teus humildes moradores,
CIDADE DE ALENCARINOS,
Com nobreza acolhestes os desnaturados, depravados
Os sem coração...
Mas não julgastes por ser dessemelhante,
Abrigastes como uma mãe cerca seu filho,
Tuas praias que de graça embriaga os olhos de quem as vê,
São mais de 30 km de beleza pura, selvagem
Admirável que o homem ainda não ousou. (algumas)
Há um pouco de tua história em cada canto teu...
Para encanto meu, encanto nosso.
No Forte Nossa Senhora de Assunção foi onde tua história começou,
que na época tinha um nome estrangeiro que ainda bem, rebatizou: 
Fort Schoonenborch.
Ficastes assim... FORTALEZA!
Onde tem de FORTE até no nome,
Tenho orgulho de ser daqui, mesmo não nascendo cá.
Carrego esta FORTALEZA comigo 
A de não desistir, não se deixar cair, de levantar e persistir!
De fazer tornar real um sonho muito antigo...
e que esta FORTALEZA ainda dê muito abrigos, 
E um dia se cumpra o que foi prometido: de ser FORTALEZA BELA!

Imagem extraída do Jornal Diário do Nordeste- 12/04/12



quarta-feira, 11 de abril de 2012


Eu tenho em mim todos os sonhos do mundo
O que é insano ronda minha lucidez,
Sobrevoa os ares da consciência e deixa a dúvida do que é real!
Eu tenho em mim a poesia, a filosofia, a orgia de um ser qualquer...
A pureza de uma criança, sensibilidade de uma flor,
Mas tenho também a altivez do espírito, pois mantenho em mim certa dureza para não me acharem tudo isso!
Os meus defeitos talvez sustentem meu edifício,
Ninguém os tira pois da minha mais impune essência nasceu,
Como saber qual deles sustenta o edificio inteiro?

quinta-feira, 15 de março de 2012

Saudades



Que saudades daquele interior, que fica pelas bandas de lá. Talvez se eu fale ninguém o conheça, mas quem viveu talvez não esqueça. Saudades dos dias de chuva. Aquele “cheiro de verde”, eu olhava e enchia os olhos com a imensidão , as gotas caindo, molhando aquela terra, matando a sede dos bichos, antes era quase sertão. Não ouvia buzinas, a não ser dos tios para anunciar a chegada tão esperada aos domingos, eram os pássaros quem fazia a festa. Eles cantavam e me encantavam todas as manhãs naquele pé de seriguela. Este o meu passatempo naqueles dias que seguiam, lento quase parando! A vida não tinha pressa e nem me exigia correria. Eu era tão feliz na minha inocência que não sabia o que a vida na cidade me traria, corria feliz e leve. “SÓ” levava a alegria de brincar com os pés descalços naquele chão, tomando banho de chuva e minha avó gritando: “menina olha o trovão”. Ah minha avó, minha saudade maior é dela... Cozendo naquelas panelas de barro, parece que dali disseminava o sabor, que hoje delicio nas lembranças... Saudades da galinha caipira, todos à mesa aprovando os momentos de união.  Saudades dos primos correndo, caindo e alguma mãe gritando: passa pra dentro “minino”. Aquelas competições que fazíamos minhas primas e eu, de quem chegava mais rápido a lagoa ou qual o bicho que entoa. Brincadeira de povo do interior é assim, não tinha Play Station, nem Xbox, não sabia o que era The Sims, brincava de corda, de pega, esconde e trampolim, mas que vovó nunca saiba, nosso trampolim era a cama ou quando não era o chão, que amortecia a queda com aquela areia meio branca e fofinha. Lembro dela me dizendo: um dia isso tudo será de vocês! Esta natureza é nossa minha filha, zele pelo que Deus nos deu.
E hoje com meu coração em alegria diante de tantas lembranças boas, eu divido com você que viveu. Quem não viveu só lamento... Você na sua era dos enlatados não pôde sentir as gotas de orvalho, mas a culpa não é sua talvez, não te culpo nem condeno, pois eu quem tive a sorte de viver onde vivi e trazer até hoje comigo, um pouco do que tava ali. Naquelas terras lá pelas bandas do Aracati.

sábado, 21 de janeiro de 2012


Nem toda lágrima é de dor
Nem todo beijo é de amor
Nem todo riso é sincero
Nem todo abraço é calor.
Nem toda ausência é saudade
E a presença se dá valor.

domingo, 15 de janeiro de 2012


A dor que eu to sentindo hoje
Com certeza será a mola propulsora da minha felicidade de amanhã.
Ninguém é feliz o tempo todo e triste o resto da vida.
Há momentos em que nenhum dos seus amigos poderá deter a dor que estás a sentir,
Mas o fato de saber que eles existem ajudará amenizar a angústia que assola o coração.
Novas possibilidades hão de se abrir quando esta sua única certeza se desfez com uma irremediável certeza de que não poderia dar certo.
É hora se seguir, ir, avante, adiante.
Leve VOCÊ nesta viagem, esqueça o que te fez mal, doeu, maltratou, passou.
No final tudo vai ficar bem!