terça-feira, 22 de outubro de 2013

O hospital

Hospital é uma casa estranha, é um entra e sai de gente, somos todos PazCientes.
Uns passam apressado, outros lentamente.
Alguns que já conseguem expressar sorriso gritam: Estamos vivos gente.

Outros vejo em seus olhos gotas cristalinas de dor, mas em suas mãos vejo a firmeza, depois de ter a certeza de que não existe dor maior que ausência de amor.


domingo, 15 de setembro de 2013

Saudades.

Tem dias que a saudade pesa demais...
É preciso ter leveza, esquecer o que passou.
Respirar profundamente, fechar os olhos e ter a certeza de que o pesado também passará.
Tomar consciência de que tudo é questão de se permitir, de sentir.
Há dias que dá vontade de fazer brigadeiro com a saudade,
mas há dias que desabo...
E choro, choro e choro.
Preciso liberar, me libertar.
Deixar ir, partir, deixar fluir.
Preciso de mim aqui, inteira.

terça-feira, 13 de agosto de 2013

Ficar parado não irá trazer nenhum trabalho inovador!
Quero experimentar, fazer o que eu gosto, concretizar o que eu desejo e ser o melhor naquilo que faço.  Não quero dar ouvidos aos que dizem que não posso, que não sou capaz e se eu errar, errar e errar farei desse erro minha experiência e voltarei a ser criança, aquela que crê e que não tem medo. Se eu dia me apontarem o indicador e disserem “eu avisei”, farei disso mais um estímulo para tentar mais uma vez.
Foto por Camila Flor de Liz, a Esperança.

quinta-feira, 25 de abril de 2013


Há em mim uma necessidade que grita aos mil cantos do meu pensamento,
Cada canto, um encanto.
Retalhos que tecem o que vivi, escorre agora em forma de palavra e ecoa poesia, é vida.
São várias vidas entrelaçadas, destinadas a algum momento de se cruzar...
E se cruzaram...  nos cruzamos e
Nossos olhares se abraçaram, nos acolhemos nesse abrigo.
Somos um, somos o todo e juntos somos tão fortes, tão grandes, somos TÃO.
Esse olhar que é capaz de nos despir sem tiramos uma peça de roupa reflete o que somos, 
O que almejamos, o que fomos e o que iremos ser.
Sinto-me protegida, mas despida.
E despida eu digo: abraça-me e faça do meu olhar meu amigo, teu abrigo.
Tornando-me tua morada, também me sentirei em casa.
É possível sentir o coração vibrando em cada abraço,
Exultando de alegria em poder ser o que é: SER.
Tomar conhecimento do conhecimento é abrir-se a mudanças 
E perceber que não há certeza em nossas certezas.
E vamos vivendo, nos sentindo, sentindo os nós e desatando.
Seguindo firme, adiante, confiante.

Programa Duas Fendas:Patrimônio,Cultura e Consciência Biocêntrica



domingo, 27 de janeiro de 2013


Você é capaz de doar de coração?
Estender a sua mão, ajudar um irmão?
Somos tão pequenos diante da grandeza que é quando estamos juntos.
Sozinhos não podemos muita coisa, nossas atitudes tornam-se limitadas,
Porque precisamos andar de braços dados ...
Precisamos de ombros mais fortes e cabeças erguidas para seguir confiante.
Dificuldades sempre haverá, ela que nos transmuta e nos tira do lugar.
E você aí parado, achando que vai mudar o mundo sentado?
Levanta e se mexa, nascemos pra nos movimentar.
Ajude, doe, se jogue, mude, inspire, respire.
Viva, reflita, entenda e se estenda.


Grupo de Voluntários Sementes do Bem



domingo, 6 de janeiro de 2013


Agarre o tempo.
Viva o momento
O agora nunca mais.
Porque depois já passou...

Nada será como antes,
Pra frente ou pra trás
Haverá outros instantes
Mas como este não mais.

O futuro não chegou,
O ontem atravessou...
As tardes que não são iguais.

O fim alcançou
O agora que passou
Me levou (de) você
Agora tanto faz.

Mas o fim é só o começo
Do recomeço que almejo...
Um minuto, uma hora, mil anos.
Que diferença isso traz?

Estamos todos ligados
Eu, você e o passado...
Todos somos um, mas juntos somos o todo.
Eu nem imaginava, mas nada é por acaso.

E mais uma vez eu digo:
Estamos todos ligados



                                                                                Foto de Joe Lima